quarta-feira, 2 de maio de 2018

Perdida


Há fases na Vida em que não sabemos grande coisa sobre nós... Andamos perdidos no turbilhão da Vida. Há tanta coisa que queria dizer, mas não sei como nem o quê. Olho para mim e não vejo cor. Logo eu, que sempre fui tão colorida. O sorriso já não vem fácil. O olhar é cinzento. Há fases complicadas, na Vida e em Nós mesmos. Lutas interiores e exteriores dificeis... As maiores de sempre.  Sei que luto e remo... Mas não sei bem para onde e se é o melhor. A Vida consegue ser ingrata por vezes, mas acredito que é por alguma razão. Só quero que atenue... rápido... Quero a minha Paz, preciso. 

segunda-feira, 9 de abril de 2018

#1



Há um ano estava longe de imaginar que a Vida e Deus me haviam de presentear com tamanho Tesouro. Foi um dos anos mais difíceis da minha Vida, continua a ser. Mas foi o ano em que alcancei a felicidade e o Amor no seu esplendor máximo. Passou um ano de Nós. Um Nós com tamanha naturalidade e intensidade que não fazia sentido não nos encontrarmos. Todos os dias, mais um pouco, constróis assoalhadas no meu coração... Decora-lo com ornamentos simples e de bom gosto. Pintas as paredes com as cores mais quentes e intensas. Iluminas as divisões com a tua presença constante e apaziguadora, mesmo quando tens mais medo do que eu. Vives em permanência neste coração que é a Tua Casa, e é nela que fazes do teu a minha. Somos Casa um do outro, todos os dias. AMO-TE meu Amor. Parabéns a Nós. 

P.S. Vou esgotar as imagens do Magáscar. ahaha 

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Do Amor

Sim, é um dia igual a tantos outros. Sim, é o dia em que passear pelas redes sociais significa levar três injecções de insulina a seguir. Sim, é um dia cheio de comercializações e futilidades programadas. Mas também sim, é o meu primeiro dia de S. Valentim com ele. E também sim, é o primeiro dia de S. Valentim em que o Amor me preenche todas as células do corpo, inteiro e intenso. E também sim, é o só mais um dos dias desde que o conheci que o meu coração, no seu expoente máximo do Sentir, se sente verdadeiramente em Casa. Tu és a minha Casa, meu Amor. Resumindo, mesmo sendo contra a comercialização deste dia, é sempre uma mais valia celebrar o Amor. Qualquer forma de Amor. Por isso, Feliz (mais um) dia do Amor! ;) 

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Da Saudade


Sempre fui uma pessoa muito saudosista. Um sentimento tipicamente português e que se aprende a viver desde sempre. A saudade dói (muito), emociona, corrói. Ultimamente mais que nunca. Saudade do passado, do presente e de um futuro. Há que aprender a contornar os pensamentos e sentimentos, o pessimismo da saudade. Não sei o que e como fazer. Mas... Estou a tentar... 

sábado, 27 de janeiro de 2018

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Parabéns meu Amor!


O meu Amor faz aninhos. O seu primeiro Aniversário nesta troca de Mundos, tão especiais. A distância que nos separa é tão pequena perante a alegria e sorte do O ter na minha vida. Ele é rezingão, impaciente, um tanto crianção... Mas é doce, preocupado, sábio, amigo (o melhor), justo, escrupuloso, nobre, pontual, beijoqueiro, inteligente, curioso, etc etc etc. Ele é o meu Amor... cheio, intenso, quente. A minha maior pena é não dar o que ele mais merece neste dia... a minha presença. Lamento tanto. A Vida não nos dá o que queremos... Temos de saber lidar com isso e não dramatizar. Eu tento. Neste teu dia meu Amor, merecias Tudo... Tanto. Havemos de o celebrar mais tarde. :) Celebrar pode ser em qualquer dia ;) És o meu tesouro e só desejo que tenhas sempre o melhor que a Vida te pode oferecer, que sejas sempre muito feliz como bem mereces. O meu Amor por ti é imensurável. 

sábado, 30 de dezembro de 2017

Balanços


Finda 2017. Um Ano de luta. Um Ano em que passei muitas dificuldades, a nível de saúde e a nível profissional. Um ano confuso, de lágrimas, de luta constante. No meio desta tormenta, saliento o Amor. Sempre disse que é o Amor que nos salva... E este ano tumultuoso foi salvo pelo Amor. Encontrei o Amor na forma mais bonita e na pessoa mais companheira que podia pedir. Nunca me abandonou, em tempo algum. Presença constante de força e doçura. Os amigos verdadeiros que sempre me acompanharam e a minha família doida que me abraça. Deus, que no meio do desespero e tristeza me acalma e me dá esperança. Sei que não caminho sozinha.... mesmo no meio de tempestades. Para este ano, peço muita SAÚDE e Amor... O resto nós orientamos. Bom Ano! :) 

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Gratidão


... ao meu Homem
... à minha irmã de coração R.
... à minha Tixa
... à minha família incansável
... aos meus amigos do peito
... a Ti, principalmente a Ti que me dás todas estas pessoas e me Iluminas o Caminho. Sei que NUNCA estou sozinha. 

Depois de longos meses de sofrimento e duas cirurgias, o Caminho está mais tranquilo. Vigilante mas tranquilo. E só posso Agradecer. 

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

O meu Amor


Podia ser o título da canção do grande Jorge Palma, mas não. O meu Amor chegou de mansinho, na tranquilidade e serenidade do reinado da descrença. A luz do seu bom coração, a transparência do seu sentir e o calor do seu querer, trespassaram a minha alma e fizeram brotar o doce Amor em mim. Ele não vê o que eu vejo. O meu Amor vive longe do meu corpo. As chegadas sabem a Primavera e as partidas a Outono. Não há um dia que não deseje o seu calor, o seu toque, o seu beijo, que tanto me aconchega e preenche. Não há um dia que não deseje que o seu colo me limpe as lágrimas e os seus olhos doces me acalmem os medos. O meu Amor é altruísta, escrupuloso e doce. O meu Amor é esforçado, responsável mas inseguro do que É, só porque a Vida ainda não lhe deu as oportunidades devidas. O meu Amor é dedicado e saudosista. A distância crava o seu coração, todos os dias. A solidão dos dias, longe dos que Ama, transforma o seu precioso coração em Inverno. Rezingão, é certo :P Mas um tesouro precioso... banhado a nobreza e doçura. O meu Amor é o meu tesouro. 

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Da Fé e dos Dons



Se os temos e nos foram dados, porquê guardá-los? :)

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Das coisas boas


A vida é feita dos pedacinhos que deixamos e levamos aos outros. Em todos os meus internamentos, fiz amigas. A S., uma mulher serena de 39 anos que quer muito ser mãe e os miomas que tinha não deixavam. A O., uma mulher divertida de 55 anos que lhe havia sido diagnosticado cancro do endométrio. Quando teve alta eu tinha acabado de chegar da operação e, ainda meio atordoada, senti as suas festinhas na cara a despedir-se. Arrumou-me a mesinha de cabeceira deixando só o meu terço em cima. A A., uma mulher doce de 52 anos que tirou um nódulo na mama e amava a sua neta, exibindo com orgulho as fotografias que possuía. A E., uma mulher inteligente de 65 anos que havia perdido tudo nos incêndios de Castanheira de Pêra e tinha sofrido uma histerectomia. A G., uma mulher culta de 72 anos que devido à idade tirou o útero e me deixou um livro como prenda "E se eu fosse Deus". Curioso... :) No meio do caos, do medo e da incerteza, é isto que mais importa. 

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Escolhas


Todos os dias me pergunto se sigo o caminho certo. Se as escolhas que faço são as mais correctas, se os trilhos que palmo são os que me levam ao sítio certo (seja ele qual for). Nunca saberei... a única coisa que sei é que independentemente da escolha que faça, faço-o sempre com o coração e com honestidade. Faço-o porque sinto ser o melhor e mais correcto, para mim e para os outros. Posso ser mal interpretada... Sentirem desinteresse ou falta de sacrifício, ou pior... falta de vontade. Não, nada do que me move é isso. O Amor é o que me move... A mim e aos outros. E lamento... lamento mesmo muito se a Vida não conspira a meu (nosso) favor. Lamento perturbar a Vida dos outros com as minhas escolhas. Mas só sei ser assim... Inteiramente honesta ao que trago no peito. 

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

O Cancro


A palavra que mais ecoa na minha cabeça de uns tempos para cá. Sou da área de ciências mas ninguém nos ensina a lidar com esta doença. Sei como se forma, sei o que afecta, sei o que pode vir a fazer ao corpo. Não sei como se lida com ela. No início deste mês foi-me diagnosticado um tumor borderline no ovário. Este tipo de tumor, que não é maligno nem benigno, é o chamado início de cancro do ovário. Durante uns dias custou habituar-me a esta ideia e à ideia de perder um ovário pelo meio. Estive internada duas vezes. Das duas vezes lidei de perto, muito perto, com doenças inimagináveis e dolorosas para as mulheres. Biópsias, mastectomias, histerectomias, etc. Cada história ouvida é sentida com igual intensidade à dor de quem a partilha. Lê-se medo no olhar, sente-se a tristeza e revolta. Mas em cada uma delas também vejo a força, a esperança e a alegria do querer. Vejo a esperança e resignação do "podia ser pior". E de facto pode. Ontem uma menina de 13 anos disse-me que tem um nódulo mamário e é controlada de 3 em 3 meses, com medicação diária. Hoje soube que um colega de trabalho, com menos de 30 anos, será seguido no IPO. Continuo sem saber lidar com esta doença. Mas, uma coisa eu sei... Tudo na vida se aprende. Aprende-se a lidar para a seguir se vencer. Eu acredito na força e vontade do querer, e acreditar já é meio caminho para a vitória. 

domingo, 29 de outubro de 2017

A arte de Amar


A Eucaristia Dominical de hoje foi dedicada ao Amor, a Deus e ao próximo. Para mim, (quase) tudo na Vida se resume ao Amor. Se não amamos em plenitude, não amamos. Seja pessoas, seja trabalho, etc. Um "Amo-te" meio sentido vale zero. No meio de dias sombrios e tristes, só o Amor nos salva. Aliás, salva sempre... até em dias luminosos. O meu Amor é intenso e cheio... e faz tanto sentido desta forma. E nesta fase atribulada e tumultuosa... É o Amor que me alenta e me aquece, sempre será. 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Voyeur à força


No meio do caos que anda a minha vida a quase todos os níveis (salva-se o meu Amor), há sempre qualquer coisa sui generis que me acontece. Num destes dias vinha descansadinha a conduzir, depois de um dia "enxertado em corno de cabra", ou seja, bem complicado... e olho para um dos prédios no caminho. Era já noite e o prédio era totalmente envidraçado de cima a baixo. Num dos andares de cima, um rapaz cozinhava e dançava com (só) o belo de slip branco, completamente alheado de tudo e todos. Depois de um dia complicado é sempre bom rir-me assim. Gosto de pensar que era para a sua mais-que-tudo que chegaria entretanto. aahah 

(FICA A DICA A.M. :P )